Uniprime Iguaçu
Internet Banking
Informações e Novidades

Copom reduz taxa básica de juros para 5% ao ano

O corte já era esperado pelo mercado financeiro. A recuperação da atividade econômica ocorre de forma lenta. Em 2018, o Brasil cresceu 1,1%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A expectativa de expansão da atividade econômica neste ano é de 0,91%, de acordo com o relatório Focus, do Banco Central, que divulga a média das projeções dos analistas.

O mercado financeiro estima que a Selic terminará o ano a 4,5% ao ano, prevendo que ocorrerá nova redução de 0,5 ponto percentual nos juros. Para 2020, o percentual continuaria o mesmo. Há instituições que projetam a taxa em 4,25% ao ano.

A flexibilização monetária não corre risco de descumprimento do centro da meta de inflação, que foi definida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) em 4,25%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais e para menos (de 2,75% para 5,75%).

A inflação prevista pelo mercado financeiro para o ano é de 3,26%, quase 1 ponto percentual abaixo do objetivo central. O cenário externo também está jogando favoravelmente com estímulos monetários nos outros país.

O Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) cortou a taxa de juros em 0,25 ponto percentual, e passará a variar entre 1,5% e 1,75% ao ano. Outro ponto que também favoreceu a decisão do Copom foi a aprovação da reforma da Previdência no Congresso Nacional.

Leia o comunicado oficial divulgado ao fim da reunião do Copom:

De acordo com o comitê, a recuperação da atividade econômica segue em curto, em ritmo gradual. No cenário externo, há tendência de estímulos monetários adicionais nas principais economias, “em contexto de desaceleração econômica e de inflação abaixo das metas”.

A redução dos juros nos países desenvolvidos é favorável aos emergentes porque atrai investimentos. “Entretanto, o cenário segue incerto e os riscos associados a uma desaceleração mais intensa da economia global permanecem”, informou o comitê.

O Copom ressaltou que o estímulo monetário pode elevar a trajetória da inflação no horizante, principalmente se houver deterioração do cenário externo para economias emergentes e frustração na continuidade de reformas.

“O Copom avalia que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira tem avançado, mas enfatiza que perseverar nesse processo é essencial para permitir a consolidação da queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta ainda que a percepção de continuidade da agenda de reformas afeta as expectativas e projeções macroeconômicas correntes”, informou.

O comunicado ainda destacou que a consolidação do cenário benigno para a inflação deverá permitir 1 ajuste adicional, de igual magnitude.

“O Copom entende que o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela em eventuais novos ajustes no grau de estímulo O Comitê reitera que a comunicação dessa avaliação não restringe suas próximas decisões e enfatiza que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”, conclui.

HAMILTON FERRARI- PODER360

Voltar
Últimas Notícias
Copom reduz taxa básica de juros para 5% ao ano

Selic atinge a mínima histórica